Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

sábado, 2 de julho de 2011

De terno e gravata, Cielo faz pronunciamento e diz não ter errado

De terno e gravata e usando óculos, o nadador Cesar Cielo fez um pronunciamento em um hotel na região da avenida Paulista na noite desta sexta-feira para comentar sobre o exame antidoping positivo. O campeão mundial e olímpico não respondeu perguntas, apenas leu um texto. 

"Vim aqui para deixar claro para o público que gosta de mim e da natação", afirmou. "É um assunto delicado", completou, dizendo que a substância que tomou foi contaminada no laboratório de manipulação.

Cielo disse que o caso foi isolado e afirmou que outros companheiros usaram o mesmo suplemento. "Me considero exemplar neste aspecto [de doping]", afirmou. "Ouvi do próprio [do médico especialista em doping Eduardo] De Rose que não houve negligência", completou. 



Marlene Bergamo/Folhapress
O nadador Cesar Cielo faz pronunciamento e evita responder perguntas
O nadador Cesar Cielo faz pronunciamento e evita responder perguntas               

O nadador afirmou que já passou por cinco testes antidoping em 2011. "Posso ser testado em qualquer momento e qualquer lugar, tenho consciência disto", disse.

"Me certifico sempre do que tomo, consulto meu médico ou meu pai que é médico pediatra. 

Sou extremamente cuidadoso, tenho consciência que não fiz nada", continuou. "Quem não deve, não teme. Estou de cabeça erguida e peito aberto porque não temo nada. estamos com a verdade do nosso lado. O que não te derruba, te fortalece", completou. O pai do atleta foi até o local, mas não quis se pronunciar. 

No final, Cielo pediu para que os torcedores "rezem o triplo, torçam o triplo no Mundial e isto aqui é o início de uma grande história".

A médica Sandra Soldan, diretora-adjunta de doping da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), afirmou que a proximidade do Mundial de Xangai, que começa em 24 de julho, ajudou na decisão de não suspender o campeão olímpico que, ao lado de Nicholas Santos, Henrique Barbosa e Vinícius Waked, testou positivo para substância proibida furosemida (diurético).
 
O CASO

A CBDA anunciou nesta sexta-feira que esses quatro nadadores do país foram flagrados no exame antidoping realizado no último Troféu Maria Lenk, em maio, disputado no Rio. Segundo a CBDA, eles tiveram resultado analítico adverso para a substância furosemida, da classe S5 Diuréticos, após exame verificado no Laboratório INRS (Institut Armand Frappier), no Canadá, credenciado pela Agência Mundial Antidoping.
Através de comunicado oficial enviado à imprensa, o campeão olímpico Cielo, 24, alegou ter havido "uma contaminação cruzada". E explicou: "Durante a manipulação de um suplemento, excepcionalmente, isso pode ocorrer, mesmo que observadas normas e protocolos de manipulação sob orientação da Vigilância Sanitária". 


Marlene Bergamo/Folhapress
O nadador Cesar Cielo antes de ler um texto para comentar sobre o caso de doping, em São Paulo
O nadador Cesar Cielo antes de ler um texto para comentar sobre o caso de doping, em São Paulo

"Sempre fiz uso desse suplemento e nunca um controle feito anteriormente apresentou problema. Pela segurança que tenho na utilização desse suplemento, creio que este resultado tenha sido um fato isolado. Por causa dessa mesma confiança, outros atletas também fizeram uso do suplemento", completou.

Aceitando a justificativa, o "Painel de Controle de Doping" instaurado pela CBDA nesta sexta, composto por Eduardo de Rose, Sandra Soldan, Marcus Bernhoeft e Cláudio Cardone, disse "considerar o histórico dos atletas e o regulamento da Federação Internacional de Natação" para punir o quarteto apenas com uma advertência.

Segundo a confederação, os quatro atletas não quiseram fazer a contraprova e "definiram com precisão como o diurético entrou no organismo, restando comprovado que não houve aumento de seus desempenhos, fato que não ocorreu nesta competição".

E acrescentou: "O painel, dentro do espírito da legislação da Federação Internacional de Natação, optou por uma advertência aos quatro atletas uma vez que não foi identificada culpa ou negligência por parte dos mesmos no episódio".

Mesmo assim, eles terminaram perdendo os resultados, prêmios, certificados e medalhas alcançados no Troféu Maria Lenk.

O Flamengo, clube de três dos nadadores (Cielo, Nicholas e Henrique), também publicou uma nota oficial, assinada pela presidente e ex-nadadora Patrícia Amorim, dizendo que confia nos atletas e nas justificativas que eles deram (leia abaixo a íntegra da nota do clube).

Nenhum comentário:

Postar um comentário