Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

domingo, 21 de agosto de 2011

Paciente no Onofre Lopes tem sintomas da doença da vaca louca

Exames que confirmam o diagnóstico só são possíveis após óbito. Maneira pela qual natalense contraiu a doença ainda não foi esclarecida.
Um natalense internado no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) está levantando suspeitas de ter contraído a doença da vaca louca. Além dos sintomas clínicos observados pela equipe de saúde da unidade de saúde, exames laboratoriais realizados há cerca de uma semana apontaram a presença da proteína príon, o que é uma forte indicação do contágio da doença. Caso confirmado, este poderá ser o primeiro caso da enfermidade no Brasil .
Doença não tem cura e sua progressão é lenta, afetando principalmente o sistema nervoso. Entre os primeiros sintomas, a dificuldade em caminhar normalmente é o mais perceptível.
De acordo com o diretor do hospital, Ricardo Lagreca, o paciente encontra-se em coma e o diagnóstico só poderá ser confirmado após sua morte, uma vez que depende de exames específicos no cérebro, possíveis apenas durante a autopsia. Mas a suspeita é forte, devido aos sintomas e aos resultados de exames laboratoriais. Tanto que o caso já foi comunicado à vigilância epidemiológica, para que sejam tomadas todas as providências, inclusive cuidados específicos após o óbito, já que trabalhamos no sentido de evitar contaminações posteriores, detalha.
Lagreca considera que a população não precisa temer a disseminação da doença, já que a transmissão se dá apenas através do contato com o tecido contaminado, neste caso, o cerebral. A doença só é transmitida de formas bastante restritas, não com a simples aproximação entre as pessoas. Na enfermaria, o paciente se comporta como quem tem hepatite ou AIDS, diz.
Os profissionais que tratam o paciente ainda não sabem explicar de que forma a doença foi contraída por ele. Segundo o diretor do HUOL, essa investigação deverá ser desenvolvida pela Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica (Suvige), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap).

O que é a doença
A encefalopatia espongiforme bovina (EEB), chamada popularmente de doença da vaca louca, é uma desordem cerebral fatal que ocorre no gado, provocando a morte das células cerebrais e formando buracos, o que deixa o cérebro do animal parecido com uma esponja.
O nome popular da enfermidade é uma referência à perda de coordenação motora e à desorientação provocadas pela degeneração do cérebro, que fazem com que os bovinos passem a agir de forma estranha.
A transmissão entre bovinos ocorre através de ração contendo farinha de carne e ossos de animais infectados com a doença, não havendo transferência genética, nem de animal para animal.
Os seres humanos podem ser contaminados ao ingerir a carne de um animal que tenha contraído a doença. A relação entre a EEB e os seres humanos foi descoberta na Grã-Bretanha, na década de 1990, quando vários jovens morreram em decorrência da enfermidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário