Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Futebol, Mito e Poesia

Os velhos gregos sabiam que nem todas as palavras eram iguais. Algumas, por mais semelhantes que fossem, guardavam profundas distinções de seus símiles. Mas não eram apenas as palavras, objeto dessa decomposição de significados. O próprio discurso, a própria fala que constrói a rede de linguagem que cria o mundo dos homens, não é igual.

Existe o logos uma fala exata, racional, cortante e mental, articulada em estruturas gramaticais que induzem os grandes saltos do pensamento e as perigosas construções que usamos para compreender nosso entorno e desmontar o véu ilusório das ideologias sociais.

Mas existe também outra fala, outro discurso, outro verbo que constrói também seus paraísos e seus deleites narcóticos. O mitos é a palavra sagrada que evoca a memória dos heróis mortos. O verbo poético que nos encanta e enlouquece com sua beleza simbólica, com seu furor entusiasmado que nos arrebata até esferas de emoção. A poesia que nos leva ao delírio do riso ou ao universo encantado das lágrimas libertadoras.

O Sócrates grego era um mestre no primeiro tipo de discurso. Um craque das praças abertas da velha Atenas de Péricles. Seu combate, seu confronto mais intenso, se deu na arena do logos, no campo da política e do pensamento, que, em sua selvageria contida, desconstruía as crenças preguiçosas dos velhos atenienses.

O Sócrates brasileiro também era muito bom na arte de seu xará ateniense. Nascido dentro de uma biblioteca (como disse em uma palestra dias antes de morrer), herdou o nome do velho mártir da filosofia pela paixão de seu pai pelas letras. Foi pelas páginas do mais conhecido livro de Platão, A República, que seu Raimundo, um autodidata nascido nos sertões do Ceará, achou o nome de seu filho.

Em um tempo em que ter coragem e postura era um imperativo dos justos, o Sócrates brasileiro reconstruiu, na pequena ágora corintiana, a experiência radical da democracia dos gregos.

Mas o Sócrates brasileiro não se destacou apenas pela suas qualidades intelectuais, pela sua coragem de postular e seguir uma ideologia, como Johan Cruyff na Holanda e Breitner na Alemanha também fizeram nos sombrios anos setenta. O Sócrates brasileiro também dominava outro discurso, outra narrativa, outro verbo poético que o seu homônimo grego nunca imaginaria ser possível.

Na poesia da bola, nosso Sócrates construiu uma narrativa mitológica que cristalizou na memória estética do mundo a ideia de um futebol arte, que não se subordinava a lógica produtivista da vitória. Sua luta não era a luta dos iguais, dos que se contentavam com a banalidade do mesmo, com a redutiva isonomia do comum.

Quer na poesia mítica do futebol arte, ou nos rigores lógicos da razão política, que desmanchava as alucinações ideológicas de um sistema que instituiu a vitória como assassina da beleza e que insiste no descabimento de transformar o futebol em um esporte, Sócrates era uma dissidência. Um único. Um significante e imprevisível poeta da bola, que dominava como poucos a técnica do pensamento na arena política e a arte poética das trajetórias imprevistas, no campo de futebol.

Se o Sócrates dos Gregos assumia que só sabia que nada sabia do mundo das ideias, o Sócrates brasileiro, no mundo da bola, foi um dos nossos mais importantes sábios. Como disse Haroldo Soares, técnico do time infantil do Marista ao ver seu alto, magro e desengonçado aluno jogar naqueles anos setenta: “O Sócrates é um desses jogadores que a gente não precisa ensinar nada. Ele já nasceu sabendo”.
Fonte: Blog Pablo Capistrano

Nenhum comentário:

Postar um comentário