Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Des. Rafael Godeiro não julgará habeas corpus

Isaac Lira e Ricardo Araújo - Repórteres

O desembargador Rafael Godeiro afimou ontem suspeição para ser relator do pedido de habeas corpus para Carla Ubarana e George Leal, suspeitos de serem os mentores de um suposto esquema de desvio de recursos na divisão de precatórios do Tribunal de Justiça do Estado. O juiz substituto Gustavo Marinho será o novo relator do processo. Rafael Godeiro alegou o fato de Carla ter sido diretora do setor de precatórios em sua gestão. "Eu não me sinto confortável para negar ou aceitar o pedido", disse, em entrevista, o desembargador (veja bate-papo).

Tribunal de Justiça divulgou ontem cronograma de atividades 
Tribunal de Justiça divulgou ontem cronograma de atividades
Segundo Rafael Godeiro, não houve registro de suspeita acerca de Carla Ubarana durante os dois anos de seu mandato à frente do Tribunal, como também nos dois anos de Oswaldo Cruz, desembargador responsável por indicar a ex-servidora para a chefia do setor de precatórios. "Ela foi diretora também durante a administração do desembargador Oswaldo Cruz, nomeada por ele, e não houve nenhuma suspeita acerca do trabalho dela durante a administração do desembargador Oswaldo, assim como não teve nenhum suspeita durante a minha administração. Só depois da metade do mandato da desembargadora Judite é que esses fatos vieram à tona", disse.

As palavras do desembargador Rafael Godeiro em entrevista à TRIBUNA DO NORTE são semelhantes à discussão ocorrida ontem pela manhã na reunião do Tribunal Pleno do TJ. Na oportunidade, Godeiro, ao pedir a palavra, anunciou que iria alegar suspeição, ressaltando os anos de atuação de Carla Ubarana na divisão de precatórios do Tribunal sem nenhum tipo de suspeito a respeito de sua conduta. A desembargadora Judite Nunes reagiu afirmando que não admitia "nenhum tipo de ilação" a respeito da investigação em curso.

O habeas corpus em discussão foi impetrado por Felipe Cortez, advogado de defesa de Carla e George, que ressaltou os antecedentes criminais de seus clientes - todos são réus primários - além da existência de residência fixa. A saúde de Carla Ubarana foi outro ponto abordado pelo advogado. Segundo ele, a liminar deve ser concedida "em razão da doença que acomete a primeira paciente, que necessita dos cuidados do marido, segundo paciente, quando obtiver alta médica". A prisão preventiva pode ser substituída por prisão domiciliar.

A crise no Tribunal de Justiça, gerada a partir de fortes indícios de desvio de recursos no setor de precatórios, começou ainda em janeiro, com a exoneração de Carla Ubarana. Em virtude das suspeitas, o Ministério Público Estadual, com auxílio dos agentes da Polícia Civil, deflagrou no último dia 31 a Operação Judas, que cumpriu seis mandados de prisão, busca e apreensão foram expedidos pelo juiz Armando Pontes, em substituição na 5ª Vara Criminal, contra a servidora do TJ, Carla de Paiva Ubarana Araújo Leal; George Luís de Araújo Leal, esposo de Carla; Cláudia Suely Silva de Oliveira Costa, funcionária particular de Carla e George; Carlos Eduardo Cabral Palhares de Carvalho, amigo do casal; Pedro Luis Silva Neto, servidor do Banco do Brasil e Carlos Alberto Fasanaro Júnior, amigo do casal.

Cláudia e Pedro já estão em liberdade. Carla Ubarana se encontra no Hospital São Lucas, para onde foi logo após o depoimento na Delegacia de Defesa do Patrimônio Público. Os demais continuam presos.
 
Fonte: Tribuna do Norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário