Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

sábado, 28 de abril de 2012

Governador do Paraná diz que policiais que estudam tendem a ser mais insubordinados

  • Para Beto Richa, governador do Paraná, "uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior"
    Para Beto Richa, governador do Paraná, "uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior"
O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), relacionou a exigência de ensino superior para ingresso na Polícia Militar a um possível aumento na insubordinação entre os soldados. “Outra questão é de insubordinação, uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior, uma patente maior”, disse Richa nesta quinta (26) em entrevista à rádio CBN Curitiba.
Richa fez o comentário ao rejeitar a ideia de adotar a exigência o curso de Direito para os novos soldados da PM, uma reivindicação de entidades que defendem os policiais. A fala de Richa gerou críticas em redes sociais e foi considerada “desastrosa” pelo coronel Elizeu Furquim, presidente da Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares (Amai), principal entidade do setor.
“O governador passou a mensagem de que cultura e escolaridade premiam desobediência e desordem”, disse Furquim ao UOL, nesta sexta (27).  “Ele ainda é jovem (Richa tem 46 anos), mas está contra a modernidade, propôs um retrocesso. Gostaríamos que ele repensasse sua afirmação.”
Para Furquim, a exigência de curso de Direito para soldados da PM poderia reduzir os gastos do Estado com a formação dos oficiais da PM. “Hoje, essa formação dura três anos, em regime de semi-internato, pago com recursos públicos, sendo que boa parte do curso é de conteúdo jurídico. Com a exigência do curso superior, o governo poderia reduzir esse prazo em um ano.”

Outro lado

A assessoria de imprensa do governador disse que a declaração foi colocada “fora de contexto”. Richa teria feito uma comparação entre jovens egressos do serviço militar, que perderiam a chance de ingressar na PM com a exigência de curso superior, apesar de estarem mais acostumados à hierarquia que universitários.
A reportagem também procurou o secretário estadual da Educação, o vice-governador Flavio Arns, para que comentasse a declaração de Richa. A assessoria, porém, informou que apenas a Secretaria de Comunicação Social se manifestaria sobre o assunto. Arns também não atendeu à ligação por seu telefone celular.
UOL também procurou o secretário da Segurança Pública, Reinaldo de Almeida César, mas sua assessoria não havia retornado até o fechamento deste texto, às 12h30.


Fonte: UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário