Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Lei Don Cadinho: juiz ensina a trair em casos amorosos

Magistrados passam por cada uma. Não por menos, sentenças às vezes dão uma boa comédia.

Essa informação é do portal Migalhas. Ímpar tal, que a coluna resolver trazer para os leitores. Na cidade mineira de Divinópolis, uma mulher ajuizou ação de indenização por danos morais pela surra que levou da outra namorada do seu homem. Como em toda briga feminina, levou puxão de cabelo e unhada.

Pois bem, o jui Carlos Roberto Loiola foi o responsável pelo caso. Ao julgar, discorreu lição da Lei Cadinho (personagem da novela Avenida Brasil que tem várias mulheres): – “Ele nem prá dizer que estava numa pescaria com os amigos! Foi logo entregando que estava com a rival. Êta sujeito despreocupado! Também, tão disputado que é pelas duas moças, que nem se lembrou de contar uma mentirinha dessas que a gente sabe que os outros contam nessas horas só prá enganar as namoradas. Talvez porque hoje isso nem mais seja preciso, como era no meu tempo de pescarias. Novas Leis de mercado”.

Não à toa, o novo Don Cadinho – a exemplo de Don Juan – inflou o ego e perolou: – “Seu juiz, eu sou solteiro, gosto das duas, tenho um caso com as duas, mas não quero compromisso com nenhuma delas não senhor”.

E o juiz recheou: – “Estava tão soltinho na audiência, com a disputa das duas, que só faltou perguntar: ‘-tô certo ou errado?’”.

O magistrado estava para decidir indenização de R$ 4 mil, mas, atropelada pela língua, a parte autora chamou a ré de “esse trem”. Castigo, a condenação caiu para R$ 3 mil, sob a justificativa de que “ela também não é santa não, deve ter retrucado as agressões”.

Tem mais. Para evitar novos problemas, o juiz recomendou a Don Cadinho: – “Quanto tiver na casa de uma e a outra ligar para ele, ao invés de falar a verdade, recomendo que ele diga que está na pescaria com os amigos. Evita briga, litígio, quiproquó e não tem importância nenhuma. Isso não é crime. Pode passar depois lá no ‘Traíras’ e comprar uns lambarizinhos congelados, daqueles de rabinhos vermelhos, e depois no ABC, comprar umas latinhas de Skol e levar para a outra. Ela vai acreditar que ele estava mesmo na pescaria. Trouxe até peixe. Além disso, ainda sobraram algumas latinhas de cerveja da pescaria…E não queira sair de fininho da próxima vez, se tudo der em fuzuê ou muvuca. Isso é feio, muito feio. Fica esperto: da próxima vez que você fizer isso você poderá ser condenado por danos morais”.

Fonte: abelhinha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário