Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

domingo, 15 de abril de 2012

Sobre a crise do Judiciário Potiguar. Uma reflexão.

O espetáculo social já chegou ao fim, levando consigo a cautela. Maquiavel prevenia que o Príncipe deveria acreditar e agir sem medo de si mesmo, procedendo com equilíbrio, para que a “desconfiança excessiva não o torne intolerante” (O Príncipe. 2ª. Ed., RT, p. 106). Medo e desconfiança levam à intolerância; disfarçam o homem e assim transformam o mais pacato cidadão em soldado de uma causa. A imprensa sabe muito bem disso. Somente os juízes esperam ser tratados como eles próprios dizem tratar os outros. Enganam-se duplamente.

Uma magistratura já está perdida no Rio Grande do Norte. Enquanto não desaparecida a última testemunha desse espetáculo, resta-nos daqui pra frente envaidecer a tolice do dia-a-dia. Em poucos momentos de minha vida tive a oportunidade de sentir como agora a construção de uma “realidade social”.
 
Neste momento não vale dizer da “realidade jurídica”, que suspende a vida dos inocentes presumidos e poucas vezes tem êxitos sobre o “cotidiano dado como certo”, cujo sangue da intolerância chega aos olhos muito antes do convencimento de qualquer juiz. Esses dois mundos alimentam dinâmicas diferentes. Esta é a questão.

Entre a realidade de um mundo de autos e o da mídia, chegamos a conclusão de que nenhuma verdade existe por si, mas uma se sobrepõe à outra. Em o anticristo, Nietzsche fala de uma sensação de estar num mundo onde não se prioriza nenhuma espécie de realidade. 

Esta sensação está evidente nas notas públicas que os acusados lançam contra o noticiário espurco. São todas notas em vão, quando falam de inocência ou ampla defesa! Não é disso que se ocupa a imprensa. Ninguém joga os jogos dos outros com as próprias regras. Juízes falham e falharão sempre enquanto ignorarem a realidade dos valores dos outros, especialmente os da imprensa. O fato é que a magistratura no Rio Grande Norte já se estabeleceu como uma "realidade social"; uma verdade está construída e acabada a respeito dos juízes potiguares. 

Isto é trágico e preocupante porque em países sem tradição jurídica, como o Brasil, o Judiciário tem dificuldades de se impor como “realidade”.

Um geração pode estar perdida, mas não uma causa.

Fonte: u_IniVerso do direiTo

Nenhum comentário:

Postar um comentário