Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Médicos protestam em frente ao HWG e cobram negociação por parte do Governo


Com o apoio dos estudantes universitários da UFRN, UnP e Ufersa e sindicatos de servidores públicos do Estado e do município de Natal, o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed-RN) organizou o primeiro ato público "Fora Rosalba", que saiu às 10 horas da sede do Sindicato dos Médicos, na rua Hermes da Fonseca e foi até a frente do Hospital Walfredo Gurgel, na mesma avenida, no Tirol.

O presidente do Sinmed, Geraldo Ferreira, disse que a categoria completará, neste dia 27 de novembro, sete meses de greve em defesa da melhoria das condições de trabalho e do atendimento e dos serviços de saúde à população, sem que o governo abra um canal de negociação. Ele disse que, a partir de agora, a categoria não abre mão da implantação do piso salarial nacional, que é de R$ 19 mil e está sendo implantado em alguns estados para ser fechado em dois ou três, mas, no caso do Rio Grande do Norte o governo Rosalba Ciarlini não acena com a possibilidade de nenhum tipo de apoio.

Geraldo Ferreira disse, ainda, que no Estado o piso salarial em inicio de carreira de um médico é de R$ 2.200 para uma jornada de trabalho de 20 horas semanais, "quando outros estados já pagam o dobro disso".

Ferreira disse que a manifestação "Fora Rosalba" é um protesto "pela falta de resposta que o governo não está dando à sociedade" tanto na área de saúde, como também na áreas de educação e segurança, que também são essenciais à população.

Quanto às condições de trabalho, Ferreira disse que a categoria não suporta mais conviver com coisas mínimas, como trabalhar no plantão em hospitais que o alojamento tem de ser dividido entre mulheres e homens, cama quebrada e falta de lençóis. "Quase todos os médicos têm escabiose e coceiras porque trabalham em condições insalubres, coisa que a Justiça do Trabalho não admite mais".

Pontualmente, ele disse que a categoria não aceita mais sequer uma negociação de um reajuste salarial de 10%, como também reivindica a implantação do ponto eletrônico nos locais do trabalho, além da reforma dos hospitais, "que hoje estão um caos", com os profissionais trabalhando com a falta de insumos e equipamentos básicos, como tensiômetro e estetoscópio, fora medicamentos da farmácia básica.

Fonte: TN

Nenhum comentário:

Postar um comentário