Bem vindo ao BLOG CAMPESTRE CIDADÃO, Na Defesa de Seus Direitos

Esse blog é uma forma direta de interagir com a sociedade, esclarecendo suas dúvidas e orientando a respeito de seus direitos. É um prazer poder dar minha contribuição como cidadão consciente.

Fernandes Braga

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Ex-catadora de caranguejo se forma bióloga com curso a distância e busca vaga no mestrado


Cláudia Emi Izumi / Do UOL, em São Paulo

Ex-catadora de caranguejo no município fluminense de São Francisco de Itabapoana (a 322 km do Rio de Janeiro), Marina Barretos Silva, 47, se formou bióloga com graduação a distância, curso que completou em 2009. Agora tenta o mestrado.
Paulo Noel/Divulgação
Pegava as apostilas no  polo do curso de biologia e esclarecia as dúvidas com os tutores durante a semana.

Não sabia que gostava tanto de biologia até que comecei a estudar. Quanto mais estudo, mais gosto.
Marina Barretos Silva, bióloga
Como a mãe, hoje aposentada, Marina catou caranguejo "praticamente a vida toda", inclusive na época em que estudava a distância. "É desumano o trabalho no manguezal. É muito puxado e ruim, mas me ajudou a sobreviver", diz.
Dos oito filhos, somente ela tem ensino superior. "Não queria deixar minha mãe e meus irmãos e morar em outro lugar. Parei de estudar entre o ensino fundamental e o médio, que só retomei entre 2001 e 2003, quando já estava casada e tinha quatro filhos."
Durante os estudos do ensino médio, soube da graduação a distância pelo Cederj (consórcio de instituições públicas de ensino superior do Rio de Janeiro), que oferece mais de 6 mil vagas anualmente. "Alguém me falou do curso a distância. Fui lá para conferir. Chegou na hora certa, na hora que eu precisava", lembra.
Hoje com quatro filhos e duas netas, a bióloga tenta um mestrado na UENF (Universidade Estadual do Norte Fluminense), na área de biociência e biotecnologia. Em janeiro de 2013, presta a prova de admissão com a esperança de ser aprovada para pedir uma bolsa de estudos.
"Queria muito entrar na área de pesquisa. Gosto de trabalhar em laboratório. A única desvantagem do EAD que fiz é que não tinha um", diz ela, que começou a trabalhar no laboratório da UENF, em Campos dos Goytacazes, em abril de 2011, como estagiária não remunerada. 

Três horas por dia

Marina cursou biologia, dedicando diariamente de duas a três horas para os estudos. "Cuidava da casa, mas não tinha emprego formal. Não sabia que gostava tanto de biologia até que comecei a estudar. Quanto mais estudo, mais gosto."
O marido, que é pescador, sempre a apoiou. "Ele foi se acostumando com a ideia e sentia a minha aptidão", conta. "[Quando estava] no ensino médio, chegou a falar: ‘Eu já sei que você nunca vai parar de estudar’."
Além da mudança de vida de Marina, a familia tem outro motivo para comemorar. A filha mais velha vai se formar também pelo curso a distância do Cederj em biologia, como a mãe."Não tinha computador e usava muito pouco esse recurso. Até hoje não gosto de usar. Pegava as apostilas no polo do curso[o Cederj mantém um polo de ensino a distância no município em São Francisco de Itabapoana] e esclarecia as dúvidas com os tutores durante a semana. Foi ótimo, estudava nas horas de folga e em casa."

Conheça histórias de gente que se superou

Foto 16 de 19 - Esaú da Silva Santos, 22, se formou em medicina pela Universidade de Pernambuco (UPE) em dezembro de 2012. De origem humilde, morador da zona rural de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, o rapaz estudou a vida toda em escola pública Mais Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário